terça-feira, 9 de novembro de 2010

Sonhos

        SONHOS
                                            Wellington Trotta

Meus sonhos são poucos e muitos,
Muitos porque são poucos,
Poucos porque são muitos.
Meus sonhos são pequenos e grandes,
Grandes porque são pequenos,
Pequenos porque são grandes.

Meus sonhos incluem a valsa
Dos seus olhos.
Não sei se seus olhos valsam
Em mim ou se valso neles.
Quanto desejo tem seus olhos
Pelos meus nos seus.

Meus olhos são insistentes, indecentes,
Desejam os seus nos meus.
Não sei se os mereço, talvez sim,
Por vezes não.
Penso que os quero, logo insisto,
Um reflexo do sonho: puro prazer.
 
 

Um comentário:

Lara Amaral disse...

A valsa que os olhos desencadeiam tem um ritmo tão bonito, assim como o seu poema!

Beijo.